Sismac
  • 11 | 10 | 2019 - 18:38 Informe-se

    Prefeitura pede que servidores abram mão do reajuste da inflação

    Prefeitura pede que servidores abram mão do reajuste da inflação
    A mobilização do serviço público será debatida em assembleia na próxima quarta-feira (16)

    Nesta sexta-feira (11), as direções do SISMMAC e do SISMUC se reuniram com a administração para debater a data-base de 2019.A Prefeitura pediu que o funcionalismo público reveja a sua reivindicação de ajuste salarial!A falta de negociação nas reuniões marcadas pela gestão Greca não tem surpreendido mais os servidores e servidoras de Curitiba. Isso ocorre desde o primeiro ano de mandato e continua se repetindo sem grande novidade.

    É importante ressaltar que a reposição da inflação pedida pelos servidores não é nenhum absurdo!O valor acumulado de março de 2016 a outubro de 2019 está estimado em 10%. Esse percentual já desconsidera os 3% de reajuste do final do ano passado e que não repôs as perdas sofridas pela categoria com os mais de dois anos sem reposição da inflação.

    A falta de respostas concretas e minimamente satisfatórias para os servidores continua sendo um descaso imenso com aqueles que são responsáveis pela qualidade do serviço público na cidade. Por isso, na próxima quarta-feira (16) o conjunto dos servidores se reunirá em assembleia conjunta a partir das 18h30 no Hotel Hara (Av. Iguaçu, nº 931) para debater a paralisação do serviço público!

    Confira aqui a ata da reunião.

    A farsa da negociação

    Não importa a reivindicação, a resposta da administração foi negativa para o funcionalismo. Para a Prefeitura a desculpa é de que no Brasil inteiro os servidores não receberão reajuste salarial de acordo com a inflação, e por isso, Curitiba não deveria ser diferente. A administração utiliza dados isolados para se justificar e não traz para a mesa de negociação a realidade de cada município.

    O desgoverno Greca não leva em consideração a realidade dos trabalhadores de Curitiba e coloca que só negociará a inflação dos últimos 12 meses. A gestão desconsidera completamente a perda inflacionária total dos servidores. É importante lembrar que só com propaganda a Prefeitura gasta mais de R$ 7,5 milhões, para os asfaltos foram R$ 128 milhões e para o funcionalismo público não reserva nada!

    Não deixaremos com que a gestão mascare as péssimas condições de trabalho em que os servidores estão expostos! A verdade é que faltam profissionais em todas às categorias, as unidades de trabalho estão sucateadas e o salário dos trabalhadores está defasado.

    Pauta de reivindicação

    Reposição da Inflação de março de 2016 a outubro de 2019 de 10%

    Manutenção do auxílio-transporte

    Descongelamento dos Planos de Carreira

    Planos de Carreira

    Além da data-base o descongelamento dos Planos de Carreira foi ponto de pauta da reunião. De acordo com a Lei 15.043/2017 o descongelamento deve acontecer até o dia 31 de dezembro. Os estudos realizados pela Prefeitura deveriam ter sido entregues neste mês de outubro, mas a administração admite que ainda não tem os relatórios concluídos e que não tem previsão para a entrega.

    Auxílio-transporte

    Os sindicatos cobraram para que o auxílio-transporte continue a ser pago em dinheiro, já que na prática, com salários tão defasados, ele funciona como um complemento de renda para os servidores municipais.

    A negação da reivindicação foi em tom de que não haverá nenhum tipo de negociação nessa pauta. Para os sindicatos isso demonstra que devemos fortalecer nossa luta e mobilização para mostrar para a Prefeitura que não aceitaremos mais essa perda salarial.

  • 11 | 10 | 2019 - 18:38 Informe-se

    Prefeitura pede que servidores abram mão do reajuste da inflação

    Prefeitura pede que servidores abram mão do reajuste da inflação
    A mobilização do serviço público será debatida em assembleia na próxima quarta-feira (16)

    Nesta sexta-feira (11), as direções do SISMMAC e do SISMUC se reuniram com a administração para debater a data-base de 2019.A Prefeitura pediu que o funcionalismo público reveja a sua reivindicação de ajuste salarial!A falta de negociação nas reuniões marcadas pela gestão Greca não tem surpreendido mais os servidores e servidoras de Curitiba. Isso ocorre desde o primeiro ano de mandato e continua se repetindo sem grande novidade.

    É importante ressaltar que a reposição da inflação pedida pelos servidores não é nenhum absurdo!O valor acumulado de março de 2016 a outubro de 2019 está estimado em 10%. Esse percentual já desconsidera os 3% de reajuste do final do ano passado e que não repôs as perdas sofridas pela categoria com os mais de dois anos sem reposição da inflação.

    A falta de respostas concretas e minimamente satisfatórias para os servidores continua sendo um descaso imenso com aqueles que são responsáveis pela qualidade do serviço público na cidade. Por isso, na próxima quarta-feira (16) o conjunto dos servidores se reunirá em assembleia conjunta a partir das 18h30 no Hotel Hara (Av. Iguaçu, nº 931) para debater a paralisação do serviço público!

    Confira aqui a ata da reunião.

    A farsa da negociação

    Não importa a reivindicação, a resposta da administração foi negativa para o funcionalismo. Para a Prefeitura a desculpa é de que no Brasil inteiro os servidores não receberão reajuste salarial de acordo com a inflação, e por isso, Curitiba não deveria ser diferente. A administração utiliza dados isolados para se justificar e não traz para a mesa de negociação a realidade de cada município.

    O desgoverno Greca não leva em consideração a realidade dos trabalhadores de Curitiba e coloca que só negociará a inflação dos últimos 12 meses. A gestão desconsidera completamente a perda inflacionária total dos servidores. É importante lembrar que só com propaganda a Prefeitura gasta mais de R$ 7,5 milhões, para os asfaltos foram R$ 128 milhões e para o funcionalismo público não reserva nada!

    Não deixaremos com que a gestão mascare as péssimas condições de trabalho em que os servidores estão expostos! A verdade é que faltam profissionais em todas às categorias, as unidades de trabalho estão sucateadas e o salário dos trabalhadores está defasado.

    Pauta de reivindicação

    Reposição da Inflação de março de 2016 a outubro de 2019 de 10%

    Manutenção do auxílio-transporte

    Descongelamento dos Planos de Carreira

    Planos de Carreira

    Além da data-base o descongelamento dos Planos de Carreira foi ponto de pauta da reunião. De acordo com a Lei 15.043/2017 o descongelamento deve acontecer até o dia 31 de dezembro. Os estudos realizados pela Prefeitura deveriam ter sido entregues neste mês de outubro, mas a administração admite que ainda não tem os relatórios concluídos e que não tem previsão para a entrega.

    Auxílio-transporte

    Os sindicatos cobraram para que o auxílio-transporte continue a ser pago em dinheiro, já que na prática, com salários tão defasados, ele funciona como um complemento de renda para os servidores municipais.

    A negação da reivindicação foi em tom de que não haverá nenhum tipo de negociação nessa pauta. Para os sindicatos isso demonstra que devemos fortalecer nossa luta e mobilização para mostrar para a Prefeitura que não aceitaremos mais essa perda salarial.

Rua Nunes Machado, 1644, Rebouças – Curitiba / PR, CEP. 80.220-070 - Fone/Fax.: (41) 3225-6729

DOHMS